Brusque
20 C
chuva fraca
Brusque
humidity: 98%
wind: 1 m/s SSW
H20 • L20
Thu
21 C
Fri
23 C
Sat
24 C
Sun
28 C
Mon
28 C
HomeNOTÍCIASSEME LANÇA INFORMATIVO REFERENTE A SÍNDROME MÃO-PÉ-BOCA

SEME LANÇA INFORMATIVO REFERENTE A SÍNDROME MÃO-PÉ-BOCA

Com o início das aulas em Brusque, uma velha inimiga das escolas pode estar à espreita, a Síndrome Mão-Pé-Boca (HFMD, na sigla em inglês). Para evitar a proliferação desta síndrome a Secretaria de Educação de Brusque em parceria com a Enfermeira da Vigilância Epidemiológica – Natália Cabral Marchi desenvolveu um informativo específico para as unidades escolares de Brusque.

Na síndrome Mão-Pé-Boca os sintomas geralmente, aparecem depois de 3 a 7 dias após a infecção com um vírus do grupo coxsackie. Primeiro começa a febre, depois, manchas vermelhas e bolhas começam a aparecer, normalmente nos pés, mãos e ao redor dos lábios da criança. Às vezes, também surgem aftas dentro da boca, que causam dor ao comer e beber.

Principais sintomas incluem:

Febre acima dos 38ºC;
• Dor de garganta;
• Dificuldade para engolir;
• Muita salivação;
• Vômito;
• Mal-estar;
• Diarreia;
• Falta de apetite;
• Dor de cabeça;
• Aparecimento de manchas ou bolhas vermelhas nas mãos e nos
pés e de aftas na boca 2 a 3 dias após o surgimento da febre.

Por causa de alguns sintomas, essa síndrome pode ser confundida com algumas doenças, como a herpangina, que é uma doença viral em que o bebê apresenta feridas na boca semelhante às feridas do herpes, e a escarlatina, em que a criança apresenta manchas vermelhas espalhadas pela pele. Por isso, o médico pode solicitar a realização de exames laboratoriais complementares para fechar o diagnóstico.

Como ocorre a transmissão?

A
transmissão da síndrome mão-pé-boca ocorre através da tosse,
espirros e saliva e do contato direto com bolhas que tenham estourado
ou fezes infectadas, principalmente durante os primeiros 7 dias da
doença, porém mesmo após a recuperação, o vírus ainda pode ser
transmitido através das fezes durante cerca de 4 semanas.

Além disso, o vírus pode ser transmitido através de objetos ou alimentos contaminados. Por isso, é importante lavar os alimentos antes do consumo, trocar a fralda do bebê com luva e depois lavar as mãos, e lavar bem as mãos após usar o banheiro. Crianças infectadas podem espalhar o vírus mesmo que não tenham sintomas, que continua presente nas fezes por semanas após o tratamento.

Medidas de Controle:

O
risco de transmissão para a Doença Mão-Pé-Boca pode ser reduzido
através das seguintes boas práticas de higiene:

  • Lavagem FREQUENTE e CORRETA das mãos, especialmente após a troca de fraldas e de usar o banheiro;

  • Limpeza de superfícies e artigos incluindo brinquedos, primeiramente com água e sabão e então desinfetando com uma solução a base de alvejante com cloro/água sanitária (feita com uma colher de sopa do produto adicionada à 4 copos de água);

  • Evitando contato próximo (beijar, abraçar, dividir talheres e copos) com pessoas com Doença Mão-Pé-Boca.

  • Limitar a exposição das crianças doentes, mantendo as que apresentam sintomas afastadas da escola ou creche.

  • Não
    há vacina disponível até o momento.

O informativo foi desenvolvido em uma parceria entre a Secretaria de Educação e o Departamento de Vigilância Epidemiológica de Brusque.

No comments
%d blogueiros gostam disto: